Sonda-me o medo

arrepios e desesperos

no olhar de cinismo

apontando-me a janela

do meu próprio abismo.

 

Sonda-me o medo

cuja astúcia

serve para me incentivar.

 

Pule!

não tenha medo,

há um mundo lá fora,

é momento de arriscar!

 

Sonda-me o medo

nesta noite longa e fria

tornando a vida  inerte

e aceitando o que não tem mais como negar...

 

Sonda-me o medo

Mas é preciso mudar!

 

 

06/08

 

 

 

Clique na figura
envie sua mensagem



 

Desde 25.05.2005,
Número de Visitas

Home

Direitos autorais registrados®

Voltar

Menu

Fale Comigo

Google
 
Web www.simplesmente.poeta.nom.br


Página melhor visualizada com Internet Explorer 4.0 ou superior - 1024x768
Copyright© Simplesmente Poeta - Todos os direitos reservados -
Política de Privacidade