Da rosa quero a essência,
O perfume que inebria,
 A pétala sedosa e macia,
A mais pura inocência.

Quero ser também o orvalho,
Que banha seu corpo vadio.
Nas noites de intenso frio
Quero ser seu agasalho!

Quero ser o colibri
A sugar seu doce mel
Ser o seu teto, seu céu,
Seu jardim, seu bem-te-vi.

Quero ser aquele espinho
Que a sua haste protege
Dos insanos e hereges
Que cruzam o seu caminho.

Quero ser o seu pretexto,
Seus enganos e desculpas
Quero ser todas as culpas.
Ser prosa do seu contexto.



Aproveite e visite o site do autor
Alma de Poeta
www.sardenbergpoesias.com.br


Clique na figura
envie sua mensagem



 

Desde 25.05.2005,
Número de Visitas

Home

Direitos autorais registrados®

Voltar

Menu

Fale Comigo

Google
 
Web www.simplesmente.poeta.nom.br



 
Art by Ultimate Desing adapted by Águia Real